DELTA: a História portuguesa da verdade do café – Cinco Estrelas

DELTA: a História portuguesa da verdade do café


.

.

Marca de sucesso no país e no mundo, exemplo de empreendedorismo, inovação e gestão empresarial, a Delta Cafés, quase 60 anos depois da sua fundação, é símbolo de Portugal e de todos as sensações reconfortantes que associamos ao café.

Em 1961 começa a história desta marca portuguesa vencedora do Prémio Cinco Estrelas, na vila alentejana de Campo Maior, num pequeno armazém sem grandes recursos, onde Rui Nabeiro criou a Delta Cafés, marca exemplo de ousadia, inovação, perseverança e símbolo de Portugal por todo o mundo.

A ligação da família Nabeiro com o café começou nos anos 30, com Joaquim dos Santos Nabeiro, tio de Rui, a passar a matéria-prima verde de Portugal para Espanha, para aí ser torrada, de forma ilegal. Anos depois, Joaquim Nabeiro, cortou com os intermediários apostando ele próprio na torra do café, e na marca de café Cubana, seguida da Camelo. Com a morte prematura do pai, Rui, com 19 anos na altura, junta-se a familiares mais velhos na gestão da torrefação, aprendendo como torrar com eficácia, quais as melhores máquinas e quais as melhores misturas.

O conhecimento e a vontade crescente de se lançar sozinho levaram-no aos 30 anos a começar a sua empresa, num armazém de 50 metros quadrados, com três funcionários e duas máquinas de torra. Rui Nabeiro inicia a atividade com apenas duas bolas de torra de 30 kg, fazendo nascer a Delta Cafés e, foi desta pequena fábrica, que em 1962, saiu o seu primeiro lote – o Delta Popular – numa lata de cores vivas – as cores de Portugal – a primeira a ser comercializada com o triângulo da marca Delta.

A independência foi muito difícil no início. “Vender era complicado. No início não conseguia vender um quilo de café” refere Rui Nabeiro. Além da concorrência de marcas como a Sical, a Nicola ou a Chave d’Ouro, a população era pobre com baixo poder de compra. “A imaginação ajudou-me e comecei por vender cevadas, que era o produto que o povo conseguia adquirir.”

A partir da 2ª metade dos anos 70, a estrutura comercial da Delta Cafés consolidou-se, encarando de forma serena as novas exigências do mercado. As décadas de 70 e 80 foram de grande sucesso para a marca, permitindo a contratação de muitos trabalhadores de Campo Maior, dinamizando e desenvolvendo a economia local.

Neste contexto, em 1984, a atividade comercial passa a ser gerida pela empresa Manuel Rui Azinhais Nabeiro Lda, separando-se da atividade industrial que passa a ser desenvolvida pela Novadelta S.A Emergem novos tipos de negócio, necessidades de desenvolver novos produtos/serviços e a exigência da prestação de um serviço mais global, ampliado a áreas periféricas ao café, que implicaram uma reestruturação do negócio que culminou, em 1998, na criação do Grupo Nabeiro/Delta Cafés, dando origem à criação de 25 empresas, organizadas por áreas estratégicas com o objetivo de reforçar principal atividade do grupo: Indústria; Serviços; Comércio; Agricultura; Imobiliário; Hotelaria e Distribuição.

Os anos 1990 trazem a liderança da Delta no setor dos cafés em Portugal.

Esta tendência de crescimento é reforçada em 2007 com o surgimento da marca Delta Q de café em cápsulas.

Líder no mercado nacional, a Delta exporta para mais de duas dezenas de países e seleciona origens provenientes dos quatro cantos do mundo. A política de qualidade da Delta assegura que ao longo das diversas fases, desde as origens, passando pelo transporte e torrefação, o café seja tratado e conservado da melhor forma, de modo a preservar as suas características naturais. A Delta orgulha-se de produzir o melhor café de Portugal e de proporcionar a todos os Portugueses uma saborosa verdade do café.

A Delta assumiu desde a sua fundação, valores sólidos e princípios que originaram a criação de uma “Marca de Rosto Humano”, fundada na autenticidade das relações com todas as partes interessadas.
É uma marca que acredita nas pessoas e trabalha para as pessoas, dando todos os dias o melhor em todos os sectores de atuação. “Marca de Rosto Humano” orienta o relacionamento comercial de acordo com o princípio “Um Cliente um Amigo”. Esta é a filosofia de gestão de Rui Nabeiro. A intenção da estratégia é a personalização da relação marca – cliente, em que cada situação é vista como única e individualizada da globalidade dos negócios.

Amizade e amor são valores que orientam Rui Nabeiro na liderança do Grupo Nabeiro, tentando estar atento aos seus trabalhadores e mantendo com eles uma ligação próxima. “Se entro na empresa e não cumprimento os meus trabalhadores eles perguntam logo o que se passa comigo. No dia seguinte cumprimento-os duas vezes”, disse o gestor ao Portal da Liderança. “Sou uma pessoa que acarinha.”

A confiança nos que lhe são mais próximos é também sentida na administração da empresa. Rui Nabeiro é o presidente do grupo e tem como administradores e aliados a mulher, os dois filhos, João Manuel e Helena, e três dos quatro netos, Rui Miguel, Ivan e Rita.

Marca de rosto humano, cujos valores assentam também numa atitude responsável para com o futuro do planeta, a Delta desenvolveu o projeto ReThink – um projecto integrado de investigação e valorização dos resíduos produzidos pela actividade da empresa e pelo consumo de café: a borra de café.

Hoje o Grupo Nabeiro-Delta Cafés conta com mais de 3000 colaboradores, 37 departamentos comerciais na Península Ibérica e está ainda presente em nome próprio em França, Luxemburgo, Suíça, Angola e Brasil. China e Dubai são as apostas mais recentes no percurso de internacionalização da marca.

O reconhecimento dos portugueses em relação à Delta traduz-se, para além da preferência no consumo, em muitos prémios, entre os quais o Prémio Cinco Estrelas durante cinco anos consecutivos, que define a marca como a mais reputada de Portugal.

Coloque aqui o seu E-mail para subscrever a newsletter Notícias Cinco Estrelas

Quero receber as Notícias Cinco Estrelas